25.5 C
Brasília
25.5 C
Brasília
terça-feira, julho 16, 2024
spot_img

Projetos finalistas do Agrohackathon buscam otimizar a rotina no meio rural

Oito equipes de quatro cidades do Paraná vão disputar a final, no dia 22 de setembro, em Curitiba.

Serviços ambientais, certificações, rastreabilidade e comercialização nas mais diversas cadeias da agropecuária paranaense são alguns dos propósitos dos projetos finalistas da quarta edição do Agrohackathon. Após as etapas regionais da maratona tecnológica em Curitiba, Pato Branco, Assis Chateaubriand e Ibiporã, disputadas nos dias 2 e 3 de setembro, oito equipes – duas de cada localidade – vão ter a oportunidade de apresentar seus projetos na final, marcada para o dia 22 de setembro, em Curitiba.

As etapas regionais mobilizaram 186 competidores, entre universitários e alunos de colégios agrícolas, divididos em 35 equipes (oito em Ibiporã, oito em Assis Chateaubriand, nove em Pato Branco e dez em Curitiba). Neste ano, o tema das dinâmicas da competição é “monitoramento da propriedade rural”. Nesta linha, os projetos finalistas propõem processos e/ou soluções para otimizar o trabalho dos produtores rurais, dentro e fora da porteira.

“O Agrohackathon tem o propósito de desenvolver projetos inovadores que possam contribuir no dia a dia do produtor, para que o setor continue batendo recordes de produção e produtividade. Esse é o desafio que propusemos e que os projetos finalistas estão desenvolvendo”, destaca o presidente do Sistema FAEP/SENAR-PR, Ágide Meneguette.

Para a vice-reitora da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Graciela Bolzon de Muniz, o Agrohackathon é mais uma oportunidade de aproximar os estudantes de situações reais que, futuramente, vão encontrar no mercado de trabalho.

“A academia precisa estar próxima do mercado de trabalho, das coisas que a sociedade precisa. Esse Agrohackathon é um meio de aproximar esses dois universos”, destaca Graciela. “Essa maratona tecnológica permite uma transformação, envolvendo pessoas inovadoras, em busca de projetos para um mundo melhor”, complementa.

Após a final em 22 de setembro, as equipes vencedoras vão contar com suporte para a continuidade dos projetos. A organização planeja realizar o processo de pré-incubação, por um período de seis meses, com mentores para auxiliar no desenvolvimento e evolução dos projetos. Desta forma, a proposta é aumentar as possibilidades dos projetos vencedores se tornarem empresas e disponibilizarem soluções ao meio rural.

Parcerias

O Agrohackathon é uma iniciativa do Centro de Economia Aplicada, Cooperação e Inovação (CEA) da UFPR, realizado de forma conjunta pelo Sistema FAEP/SENAR-PR, Agrociência Cooperativa e Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). A maratona tecnológica conta com apoio do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa), Central Sicredi PR/SP/
RJ, seguradora BB Seguros, Banco do Brasil, Box Group Cibersegurança, Softfocus e a Agência de Cooperação Alemã (GIZ), por meio do Programa Euroclima +.

Unidade Curitiba

Equipe SafeSafra – Projeto Calculando Riscos e Facilitando Decisões: Por meio de um sistema integrado de gestão, a proposta é trazer respostas simples e concisas por meio do monitoramento da propriedade rural, permitindo aos produtores a análise de risco econômico e relacionar dados produtivos, para auxiliar na tomada de decisões.

Participantes: Débora Petermann; Emanuele Kopke; João Leinecker; Julia Deola; Peterson Fontinhas e William Santiago.

Equipe Amigo Produtor – Projeto Consultoria Ambiental: Serviço de consultoria focada em Pagamento por Serviços Ambientais (PSA), provendo informações de qualidade para identificar oportunidades de monetização e venda de serviços ecossistêmicos, tais como compensação de danos ambientais e ganhos para a sociedade.

Participantes: Thais Vitoria Prestes Pedroso, Jerrard Joly Gbur dos Santos, Mirella Wiese e Jessica Frieling.

Unidade Pato Branco

Equipe BioAgro – Projeto Sistema Inovador: Gestão da propriedade rural com foco em obtenção de certificações já existentes, ampliando as opções de comercialização do produtor rural a partir da abertura de novos mercados. O propósito do projeto também é agregar valor à produção e auxiliar na venda de crédito de carbono.

Participantes: Abigail Soares, Augusta Mendes, Fernanda Jutkoski, Rodrigo Gossi e Stefany Valgoi.

Equipe Cow Black – Projeto Monitoramento do Leite Bovino: Desenvolvimento de um equipamento que identifica individualmente alterações na qualidade do leite durante a ordenha, evitando a contaminação do lote no tanque. Entre os benefícios do projeto estão a análise individual do leite por ordenha, a separação automática em caso de contaminação, adaptação de novos sensores para monitoramento de outros parâmetros e criação de uma plataforma para relatórios.

Participantes: Luana Rodrigues, Samuel Moraes, Maria Cecília, Luiz Argenton e Danilo Niz.

Unidade Ibiporã

Equipe MRAP – Projeto Monitoramento de Resíduos: Solução por meio de um medidor portátil de resíduos, ou seja, o equipamento faz a análise interna do alimento e mostra a quantidade de resíduos agroquímicos presentes. O equipamento é portátil e de fácil uso por parte do produtor, com custos acessíveis aos pequenos produtores.

Participantes: Elias Junio Muller Coelho, Giovanni dos Santos Schizzi Meireje de Carvalho, Jean Carlos Monteiro Miguel, Lucas Vilas Boas de Lima, Pedro Henrique Ramalho Faustino e Ygor Eguchi Mohana.

Equipe Thinkin’Pink – Projeto Agrothink: Por meio de um sistema integrado e colaborativo de gestão que inclui aplicativo, entre outras ferramentas de gestão, a proposta é permitir o acesso à informação e tecnologia aos pequenos produtores. Desta forma, eles
poderão fazer uma gestão integrada com a rastreabilidade física e documental e quantificação de pegada de carbono.

Participantes: Abner Sgobi, Daniele Goncalves de Toledo Luchetta Raminelli, Haldane Junior, Marcelo Castro, Maria Eduarda Alves e Rayanne Cavalari Cabral de Vasconcellos.

Unidade Assis Chateaubriand

Equipe Sapato Molhado – Projeto Arquivagro: Por meio de um aplicativo, a proposta
é unificar o armazenamento de documentos e informações da propriedade rural, incluindo dados de produtividade, com acessibilidade simplificada. O propósito é auxiliar os produtores rurais na tomada de decisão sobre a propriedade.

Participantes: Karoline Frazão Alves, Ana Paula Ferro Campinas, Luiz Henrique Zavantini Feltrin, Grazielli Bueno e Ricardo Heinemann

Equipe AgroDoc.- Projeto Solução AgroDoc.: Projeto busca prover acesso à informação e tecnologia para pequenos produtores, com o desenvolvimento de um site que armazene
e disponibilize dados de forma simples e eficaz. Sem emissão de papel físico, a proposta é evitar extravio de documentos, além de centralizar dados sobre a produção agrícola da propriedade.

Participantes: Camila Fiori Jacó, Shaiana Tamara Grade, Nauê Paolo Pinho Zanferrari, Alanis Alves Eugênio, Amanda Volpato Coco e Carolyne Bandeira da Silva

Fonte: Boletim Ano XXXVIII nº 1595 | 06/09/2023 – Sistema FAEP

 

Relacionados

Deixe uma resposta

- Publicidade -spot_img

Recentes