21.5 C
Brasília
21.5 C
Brasília
domingo, julho 14, 2024
spot_img

Mudança climática eleva preço dos ovos de Páscoa, diz especialista.

Alta da cotação de futuros do cacau acumula 111% em Nova York; clima afetou a safra dos principais produtores mundiais…

Quem vai comprar chocolate neste ano para amigos, familiares e outros entes queridos tende a pagar mais caro em 2024. O aumento nos preços internacionais da commodity prejudicou os fabricantes de chocolates nesta Páscoa, período com maior consumo de barras, ovos e outros itens de chocolate.

Um estudo da XP Investimentos aponta que barras e bombons de chocolate estão mais caros nesta Páscoa, sendo que a alta esperada nesses itens em março deste ano é de 3,63% na comparação com o mesmo mês do ano passado, um avanço menor do que na última Páscoa, que era de 10,7%. Segundo a XP, o estudo é realizado com base no IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que não inclui o item específico “ovo de Páscoa” na cesta de produtos verificados.

Francisco Queiroz, analista da consultoria agro do Itaú BBA, afirma que a disparada do preço do cacau reflete problemas climáticos que afetaram a safra dos principais produtores mundiais e que deve resultar em deficit do produto no mercado global.

“Os 2 maiores produtores de cacau do mundo são Costa do Marfim e Gana que, juntos, respondem por cerca de 60% da produção. A Costa do Marfim, principal produtor global, sofreu com um clima mais seco em 2023. Depois, veio um período com excesso de chuvas para o país, o que contribuiu para a proliferação de doenças do cacaueiro, principalmente a do broto inchado e, agora, o El Niño, que impõe clima mais seco e mais quente para a região oeste da África”, afirmou.

O analista do Itaú BBA menciona ainda outro fator climático que prejudica a produção dos países da África Ocidental: a movimentação dos ventos secos e frios que atuam com forte intensidade nessa temporada, fazendo com que a entrega de cacau dos países africanos esteja muito abaixo do registrado em anos anteriores.

“Desde o início da temporada –em outubro de 2023 até janeiro de 2024–, as entregas da Costa do Marfim ficaram 34% abaixo do mesmo período de 2022 e 2023. Em Gana, a queda foi de 35%, segundo a ICCO (Organização Internacional do Cacau). A expectativa é de um novo deficit para o balanço global de cacau na safra deste ano, o 3º consecutivo. A ICCO projeta 374 mil toneladas, enquanto algumas fontes estimam até 500 mil”, destaca o especialista.

No Brasil, dados da Ceplac (Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira) indicam produção de 220 mil toneladas de amêndoas em 2022, e a safra de 2023 deve ser concluída com 265 mil toneladas produzidas.

“Em 2023, o Pará ultrapassou a Bahia, historicamente líder no ranking nacional de produção de cacau. No Brasil, o sul da Bahia também tem sofrido com os reflexos do El Niño, o que deve resultar em redução da produção, diante do impacto do clima desfavorável”, completa Queiroz.

Nesta safra, a produção mundial da commodity deve somar 4,45 milhões de toneladas, também conforme a ICCO. Isso representa uma queda de 11% sobre a produção anterior, enquanto a demanda deve reduzir 5%, para 4,75 milhões de toneladas.

A expectativa do especialista em agricultura é de que o aumento do preço do cacau leve a uma diminuição da demanda global, após 3 anos seguidos de alta. Ainda assim, deve haver o 3º deficit consecutivo no mercado global, chegando a 374 mil toneladas, conforme a entidade referência no setor.

De acordo com Alexandre Maluf, economista da XP Investimentos, a alta nos preços finais de produtos como achocolatados, barras de chocolates e bombons possui forte influência da variação da commodity, que sofreu com quebra de safra em diversos países produtores, principalmente na África, mas o açúcar também impulsionou os preços, diante da “quebra da safra nos Estados Unidos com reflexos globais na cadeia de produção”, conclui Maluf.

Alta do cacau infla preços

A cotação dos futuros do cacau em Nova York com contrato para maio de 2024 atingia US$ 9.650 (R$ 47,999) na tarde desta 2ª feira (25.mar.2024). Há 1 ano, custava em torno de US$ 2.900 (R$ 14.424).

Para os futuros negociados em Londres, com vencimento também em maio, a cotação atinge £ 8.226 (R$ 51.743), enquanto no ano passado, na mesma época, estava abaixo de £ 2.200 (R$ 13.838).

Preços dos chocolates na capital paulista

Os produtos estão menores e mais caros na cidade de São Paulo. Pesquisa do Procon de São Paulo com preços de produtos relacionados à data comemorativa apontou uma diferença de até 159,08% para o mesmo produto: o ovo de Páscoa Arcor Bon Bon Morango de 150g, que custava R$ 69,90 em um site e R$ 26,98 em outro.

A pesquisa da entidade visa ajudar o consumidor a embasar a decisão de compra para itens como ovos de Páscoa, bombons, caixas e barras de chocolate. O estudo foi realizado com coleta de preços de 115 itens em 8 estabelecimentos, de forma online, entre os dias 11 e 13 de março.

Os preços são livremente fixados e as altas não podem ser consideradas como abusivas, segundo a diretora de estudos e pesquisas do Procon-SP, Deise Garcia. “Não podemos caracterizar esse tipo de situação como preço abusivo, pois com o livre comércio, o estabelecimento pode colocar o preço que atender”, ressalta.

O Procon também comparou 90 itens entre pesquisas online de 2024 e 2023 na capital paulista –o resultado demonstrou uma alta no preço médio de 8,76% no quilo dos bombons, de 8,30% no quilo dos tabletes, mas queda de 15,52% no quilo dos ovos.

Para comparação, o IPC-SP (Índice de Preços ao Consumidor) da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas), referente ao período de março de 2023 a fevereiro de 2024, registrou variação de 3%. De acordo com o Procon, o valor médio do quilo dos ovos de Páscoa é de R$ 302,21, enquanto o de bombons é de R$ 164,14 e dos tabletes de chocolate de R$ 86,27.

Cuidados na hora de ir às compras

O consumidor deve realizar pesquisa de preço online e presencial antes de ir às compras, segundo a representante do Procon, e considerar ainda os preços referentes ao frete. “Muitas vezes, o consumidor escolheu um determinado site para finalizar essa compra, mas ao calcular junto com o frete, o valor acaba sendo maior do que em outros estabelecimentos, então é preciso considerar o produto justamente com o valor do frete para a compra total”, orienta Garcia.

Além disso, o cliente deve ficar atento a valores muito vantajosos, para não cair em golpes. Na pressa de comprar mais barato, o consumidor pode acabar em uma cilada. “Sugerimos que o consumidor escolha sites que possuem endereço físico, telefone e CNPJ. Ainda, recomendamos desconfiar de ofertas muito baratas, pois o consumidor pode ou não receber o produto ou receber algo que não é de acordo com o que ele gostaria”, afirma.

Por isso, o Procon disponibiliza em seu site uma lista com portais que não são recomendados pela entidade.


Com informações de Investing Brasil.

 

Relacionados

Deixe uma resposta

- Publicidade -spot_img

Recentes