24.5 C
Brasília
24.5 C
Brasília
terça-feira, julho 16, 2024
spot_img

Embrapa desenvolve variedade de amora ideal para doces

Desenvolvida com foco no processamento, a amora-preta BRS Ticuna chega ao mercado de frutas como opção para produção de geleias e sucos

Desenvolvida com foco no processamento, a amoreira-preta BRS Ticuna chega ao mercado de frutas como opção para a produção de geleias e sucos.

O tamanho do fruto é atrativo aos olhos, que aliado à acidez acentuada faz com que a cultivar ocupe um espaço para fins industriais. Um hectare pode render até 20 toneladas de frutas, o que a posiciona entre as cultivares mais produtivas e superior ao material de referência, a amoreira BRS Tupy.

A BRS Ticuna é uma cultivar de amoreira-preta (blackberry) obtida por hibridação controlada, altamente produtiva e testada nos mais variados ambientes e sistemas de cultivo.

Foi testada principalmente nos estados da Região Sul do País, o que não significa que não tenha adaptação a outras regiões.

Desde 2018, ela vem sendo avaliada pela pesquisa nos Campos de Cima da Serra, numa parceria entre a Estação Experimental de Vacaria (RS), a Embrapa Uva e Vinho e a Embrapa Clima Temperado, em Pelotas (RS).

O material foi apresentado há um ano aos produtores, para que conhecessem a nova cultivar e tivessem acesso ao material com os parceiros já licenciados para produção de mudas.

 

Foto: Francisco Lima

De acordo com a pesquisadora Maria do Carmo Bassols Raseira, coordenadora do projeto que desenvolveu a nova amoreira, a cultivar tem plantas de porte ereto, frutas grandes e colheita mais tardia que a cultivar Brazos. “A sua acidez mais elevada limita a aceitação para consumo in natura e a direciona para a indústria, a qual, logicamente, paga menos em comparação ao preço obtido no mercado de frutas frescas. Para compensar, é importante que a cultivar seja altamente produtiva”, pondera.

O fato de as frutas não serem comercializadas in natura com facilidade pode desestimular o produtor a plantá-la, segundo Raseira.

Porém, ela acredita que, além da produtividade superior, a menor necessidade de tratamentos fitossanitários nessa cultura é capaz de compensar economicamente o fruticultor proporcionando melhor retorno.

A BRS Ticuna, como a maioria das cultivares de amora-preta, é bastante rústica, sendo necessário o controle de ferrugem e cuidados com a mosca-das-frutas (Drosophila suzukii). A cientista relata que a cultivar é considerada resistente a doenças.

O pesquisador Rodrigo Franzon, conta que a nova variedade tem características similares às de outra amoreira, a Brazos, bastante antiga e introduzida do estado norte-americano do Texas. “A BRS Ticuna é mais produtiva, produz frutas mais firmes e apresenta menor reversão de cor das frutas após a colheita”, compara o cientista.

O especialista revela que a maior contribuição desse material ao mercado industrial é a acidez elevada do fruto, desejável para o processamento. “Isso diminui a necessidade de corrigir a acidez por meio de aditivos”, detalha Franzon.

De acordo com um dos produtores que testaram a cultivar de amoreira, ela se destacou pela sua produtividade. “Ela produz entre 20% a 30% a mais que as outras variedades BRS Tupi, BRS Caiguangue e BRS Guarani e tantas outras que se tem a disposição”, relata o fruticultor Roque Casset.

Produção orgânica de amora

Raseira aponta oportunidades para a cultivar, como o seu direcionamento para produção de doces, principalmente geleias e chimias, sem a necessidade de adição de ácidos. “Além disso, há a possibilidade de cultivo no sistema orgânico”, reforça, indicando que a cultivar é adequada a uma produção mais sustentável, por ser um alimento mais limpo e de maior qualidade.

A industrialização da amora é bastante utilizada devido ao baixo período de conservação da fruta, e mesmo produtores de frutas para o mercado in natura destinam parte da produção para a industrialização, em períodos de picos de safra.

O preço médio pago ao produtor varia em função da época de produção e da forma de comercialização. A indústria, dependendo da região do País, paga ao produtor entre R$ 4,50 e R$ 6 por quilo. Se a fruta for congelada esse valor varia entre R$ 8 e R$ 15; contudo, em áreas próximas a grandes centros consumidores, o valor pode chegar a até R$ 20 por quilo de amora produzido.

Fonte: Canal Rural

Relacionados

Deixe uma resposta

- Publicidade -spot_img

Recentes