24.5 C
Brasília
24.5 C
Brasília
terça-feira, julho 16, 2024
spot_img

Polêmica entre o agro e os indígenas é falsa

Marco temporal é pouco frente aos grandes desafios de como respeitar, e não manipular, as populações indígenas, escreve Xico Graziano.

Um agricultor que tenha se apossado, de forma consciente e pela força, de terras ocupadas tradicionalmente por indígenas, deve mesmo perder sua fazenda e ser denunciado como criminoso da humanidade. Quem, por outro lado, manipula populações indígenas levando-as a invadir fazendas produtivas, em regiões de agricultura estabelecida, pacificamente, há mais de 70 anos, deve ser condenado por falsificação ideológica. É crime contra o Estado Democrático de Direito.

O limite entre essas duas posições extremas, ambas pérfidas, delimita a polêmica do marco temporal, que o STF (Supremo Tribunal Federal) está decidindo nesses dias. Foi assim que tentei explicar para minha mãe, ao visitá-la nesse final de semana, em Araras (SP), minha terra natal.

Ela estava preocupada. Se os produtores rurais terão que devolver suas terras aos indígenas, quem vai produzir comida para o povo? E mais. Não havendo temporalidade, o preceito vale também para as residências no litoral e os apartamentos da avenida Paulista? Sim, pois, afinal, tais lugares estavam originalmente ocupados pelos indígenas.

Como sempre, corre muita desinformação na sociedade, alimentada pela guerra de narrativas, frequentemente polarizada, entre esquerda e direita, que se tornou típica da era digital. O jornalismo, infelizmente pouco preparado, parece piorar a comunicação na sociedade.

Eu nunca ouvi seu avô, nem seu pai, falar mal dos indígenas, disse-me dona Ignez, 93 anos. Exatamente isso. Eu não conheço nenhum agricultor de respeito que seja inimigo de indígena. Esse assunto passa distante de 99% dos agricultores brasileiros, responsáveis pela 3ª revolução agrícola do mundo.

Os modernos produtores rurais do Brasil não querem, nem nunca precisaram, de terras indígenas para progredir. Com ou sem o marco temporal, irão continuar trabalhando arduamente, carregando a economia e interiorizando o desenvolvimento nacional.

Sim, existe a história. Certamente, aqui e alhures, muitos conflitos surgiram no processo de colonização, envolvendo as populações originárias, refletindo uma encrenca típica daquela época de afirmação da propriedade privada da terra, antes e depois da Lei de Terras, de 1850.

Hoje, porém, é falsa essa polêmica entre o agro e os indígenas. Localizadamente, problemas persistem e necessitam ser solucionados. Tomara que o STF encontre um caminho para tanto, uma solução jurídica que neutralize os extremos, evitando que coloquem fogo no país.

Sinceramente, na expansão para o Norte do país, nos anos de 1970, alguns desbravadores brigaram feio com tribos indígenas, usurpando seus territórios. Atrocidades ocorreram acobertadas, ou mesmo estimuladas, pelo governo brasileiro. Eram os tempos do regime militar, que atuava sob o lema de “Integrar para não Entregar”.

Se houve esbulho, se fizeram coisa errada, onde quer que tenha sido registrada, essa pecha não pode manchar o agro tecnológico e sustentável do país. Devolvam logo essas terras. E se prevaleceu a boa-fé, que se façam as indenizações necessárias e justas. Nós não devemos pagar pelo erro do passado.

Agora, precisamos também denunciar. Esconde-se por detrás do marco temporal uma ação política que age para desgastar a moderna agricultura, visando a torná-la presa fácil dos invasores de terra, conluiados com (falsos) indígenas e com organizações contaminadas pela ideologia esquerdista.

Transformar indígenas em sem-terra, destinados a invadir regiões agrícolas pacificadas há 70 anos, significa criar uma fábrica de confusão no campo.

No fundo, a polêmica exagerada sobre o marco temporal está causando uma distração sobre o essencial, aquilo que realmente importa: qual será o destino dos indígenas na construção do futuro do país?

Poderão eles produzir, progredir, se emanciparem, ou devem continuar sendo tutelados, mantidos incapazes, pelo Estado?

Autodeterminação das populações indígenas significa alinhá-los ao receituário globalista, mantendo-os como uma grife, ou podem eles pensar por conta própria, querer um trator para plantar lavoura, ganhar dinheiro na exploração sustentável de seu território?

Essas são as questões fundamentais. Marco temporal é pouco frente aos grandes desafios de como se respeitar, e não manipular, nossas populações indígenas.

Autor: Xico Graziano Xico Graziano, 70 anos, é engenheiro agrônomo e doutor em administração. Foi deputado federal pelo PSDB e integrou o governo de São Paulo. É professor de MBA da FGV. 

Fonte: Poder360

Relacionados

Deixe uma resposta

- Publicidade -spot_img

Recentes