21.5 C
Brasília
21.5 C
Brasília
domingo, julho 14, 2024
spot_img

Atualização: RS já tem mais de R$ 500 milhões em perdas na agropecuária até o momento

Na nova semana que começou nesta segunda-feira, 6 de maio, o sentimento do povo gaúcho se divide entre o breve alívio que novas chuvas deram ao estado, com céu aberto e baixos e pontuais volumes voltando a cair, e a preocupação com mais precipitações previstas para as próximas semanas, com cenários se agravando e a força da água chegando a ainda mais lugares. Além disso, com a água baixando em algumas regiões, o rastro de destruição fica ainda mais evidente, bem como a necessidade que o Rio Grande do Sul terá, de anos, para se reconstruir.

Atualização: RS já tem mais de R$ 500 milhões em perdas na agropecuária até o momento

Na nova semana que começou nesta segunda-feira, 6 de maio, o sentimento do povo gaúcho se divide entre o breve alívio que novas chuvas deram ao estado, com céu aberto e baixos e pontuais volumes voltando a cair, e a preocupação com mais precipitações previstas para as próximas semanas, com cenários se agravando e a força da água chegando a ainda mais lugares. Além disso, com a água baixando em algumas regiões, o rastro de destruição fica ainda mais evidente, bem como a necessidade que o Rio Grande do Sul terá, de anos, para se reconstruir.

“A gente nem sabe mais se está em segurança. A minha propriedade é bem alta, não vai chegar. Em Pelotas, moramos no local mais alto da cidade. Mas, vai ser caótico, porque aqui não tem para onde ir a água. A rodoviária da cidade é abaixo do nível do mar, o centro de eventos onde acontece a Fenadoce tem cinco metros de altitude. Então, a maior parte da cidade, a maior parte de Pelotas, está a dois metros do nível do mar. Toda essa chuva que subiu, que deu problema para cima de Santa Maria, estava aqui, já choveu 500 mm aqui. E esses 500 vão voltar pelo Guaíba, já estão voltando”, relata Sandro Rockembach, engenheiro agrônomo, produtor rural e atuante no comércio de insumos, ao Notícias Agrícolas.

Ele ainda complementa dizendo que “a nossa única salvação é rezar para que o vento faça força norte. Só que o vento norte tem pouquíssima ocorrência na região, ele só é formador de chuvas. Ele ocorre um dia, dois antes da chuva, e para. Depois vira nordeste, noroeste. E se ele virar sul, não precisa chover nenhuma gota, porque vai represar toda a água e sobe água na cidade. Já choveu 200 mm e está marcando mais 60 mm até amanhã”.

Enquanto Sandro faz seu relato é possível ouvir a chuva ainda forte ao fundo. E é por conta dela que as preocupações ocupam mais espaço do que o breve alívio que chegou ao coração ao menos de uma parcela do povo rio-grandense nesta segunda-feira. “Toda água que chegar só vai se empilhar por cima dessa”, lamenta. “E não tem o que fazer, a não ser ajudar as pessoas”.

O cenário descrito pelo produtor é o mesmo de milhares de pessoas e retrata os 345 de 497 municípios do Rio Grande do Sul que foram afetados, deixando – até o momento da publicação desta reportagem – 83 mortos, 276 feridos, 111 desaparecidos e mais de 140 mil pessoas desalojadas ou desabrigadas. Mais de 850 mil pessoas, de alguma forma, foram afetadas pelas enchentes deste 2024, a pior e mais grave da história do estado.

“A Confederação Nacional de Municípios (CNM) acompanha com muita tristeza a tragédia enfrentada pela população do Rio Grande do Sul e lamenta profundamente que os Municípios de todo o Brasil sofram cotidianamente com desastres de toda natureza que levam a perdas de vidas, moradias, comércio local, indústria, agricultura, entre outros danos irreparáveis. Destaca-se que apenas entre os dias 29 abril e este domingo, 5 de maio, as tempestades que estão assolando o Estado do Rio Grande do Sul já causaram mais de R$ 559,8 milhões em prejuízos financeiros. Esse montante, porém, se refere apenas aos danos já levantados e disponibilizados por 19 Municípios dentre os 170 que registraram seus decretos no sistema de Defesa Civil nacional; sendo que já são mais de 330 Municípios afetados, segundo a Defesa Civil do Estado. Ou seja, os danos serão infinitamente superiores aos já apontados”, informa a CNM (Confederação Nacional dos Municípios).

Cheias nos RS - Maio 2024 (1)

Cheias nos RS - Maio 2024 (6)Cheias nos RS - Maio 2024 (5)Cheias nos RS - Maio 2024 (4)Cheias nos RS - Maio 2024 (3)Cheias nos RS - Maio 2024 (2)Porcos ilhados no RS - Maio 2024WhatsApp Image 2024-05-05 at 07.41.05Chuvas no RS - Soja - Maio 2024 (6)Chuvas no RS - Soja - Maio 2024 (2)Chuvas no RS - Maio 2024 (10)

Segundo a confederação, o setor agropecuário foi o mais afetado pelas cheias e os prejuízos, segundo dados atualizados na noite desta segunda-feira (6),  já chegam a R$ 506,8 milhões, refletindo apenas o que pôde ser mensurado até agora.

Nos campos, conforme o nível das águas vai baixando – mesmo que pontualmente – é possível começar a mensurar os prejuízos. O sócio-diretor da Cogo Inteligência em Agronegócio, Carlos Cogo, elencou algumas preocupações que se dão sobre as principais cadeias produtivas do estado, entre elas soja, arroz e carnes. Afinal, o estado é o segundo maior produtor da oleaginosa do país, o maior de arroz e importante produtor de proteínas animais.

SOBRE A SOJA

“Os Trabalhos de colheita estavam em 70% da área total até o início das inundações. Os 30% restantes não haviam sido colhidos, representando cerca de 2 milhões de hectares e 6,5 milhões de toneladas”, afirma Cogo. No entanto, “estimativas precisas das perdas ainda não são possíveis. Esse volume sob risco representa 5% da safra estimada para o país, de 147 milhões de toneladas”.

Assim, o especialista acredita que os futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago deverão seguir elevados, carregando ainda um prêmio de risco climático considerável neste momento. “Essa contabilização das perdas nas áreas não colhidas influenciará as cotações. Nesta segunda, as cotações voltaram a subir e terminaram o dia com altas de 21,50 a 32,75 pontos nas posições mais negociadas, com o maio valendo US$ 12,34 e o julho, US$ 12,45 por bushel.

As imagens abaixo mostram as condições da soja que está sendo colhida onde é possível nos EUA, depois de toda a chuva das últimas semanas e que se intensificaram em 27 de abril.

Cheias nos RS - Maio 2024 (7)
Soja germinada e deteriorada pelo excesso de umidade

“O excesso de umdidade tende a elevar a acidez do óleo de soja, o que pode reduzir a oferta de boa qualidade deste subproduto, especialmente para a indústria alimentícia”, afirma o Cepea.

SOBRE O ARROZ

“As intensas chuvas ameaçam reduzir as rendas dos orizicultores. A colheita já estava atrasada em relação a anos anteriores e pode ser ainda mais prejudicada”, explica o analista e consultor de mercado. “Até o momento, o Rio Grande do Sul colheu 78% da área de arroz da safra 2023/2024, o que equivale a uma área de 709 mil hectares, de um total de 900,2 mil hectares cultivados. Os 22% restantes representam cerca de 200 mil hectares e 1,6 milhão de toneladas”, diz.

Assim como para a soja e demais culturas, ainda não é possível estimar com precisão o quanto deste montante está perdido. Todavia, reforça que “esse volume sob condição de risco representa expressivos 16% da safra estimada para o país, algo como 10,5 milhões de toneladas”.

A safra de arroz gaúcha, estimada em 7,4 milhões de toneladas antes das inundações, deverá ser afetada de forma expressiva. “Isso pode gerar um déficit no suprimento brasileiro do grão em 2024, ampliando a pressão altista sobre os preços”.

federarroz - cheias no RS - maio 2024
Áreas de arroz inundadas no RS – Foto: Federarroz
Federarroz: Aos produtores rurais sobre as enchentes no Rio Grande do Sul

A Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) está monitorando a situação das lavouras do Estado devido às fortes chuvas que vêm ocorrendo nesta semana em todas as regiões gaúchas. A entidade está colocando seu corpo operacional à disposição dos produtores que estiverem enfrentando dificuldades devido às intempéries dos últimos dias e que devem continuar até o final desta semana de acordo com os prognósticos.

A Federarroz se solidarizando com toda a sociedade gaúcha, reiterando o compromisso em garantir a segurança alimentar do povo brasileiro, apesar das incontáveis dificuldades e instabilidades enfrentadas pelos produtores rurais.

SOBRE AS CARNES

Da morte de animais, à sua manutenção e transportes, tudo está rompido no Rio Grande do Sul.

“Há dificuldade em chegar com ração e outros insumos essenciais às propriedades. Estradas bloqueadas impedem o transporte de animais e produtores relatam dificuldade em adquirir rações, embalagens e caixas (no caso de ovos). Há Lotes de animais que não conseguem ser transportados aos frigoríficos e a programação de abates já foi afetada nos frigoríficos. Levar aves e suínos para outras unidades é uma alternativa, mas não resolve completamente os desafios”, afirma Cogo.

O resgate dos animais é bastante complexo neste momento devido às limitações e apenas em uma região cerca de 500 bois, por exemplo, foram resgatados. Em Rodeio Bonito, por exemplo, na medida em que a água vinha subindo, um suinocultor soltou seus porcos para que eles pudessem se salvar.

WhatsApp Image 2024-05-04 at 13.50.48
Associação Gaúcha de Criadores de Búfalos (Ascribu) auxilia no resgate dos animais
EM BRASÍLIA

Após a visita dos presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, e do Senado, Rodrigo Pacheco, às áreas afetadas no último domingo (5), ambos afirmaram que toda a agenda legislativa das duas casas estaria focadas nas medidas de apoio ao Rio Grande do Sul. Em entrevista ao Notícias Agrícolas, o senador e presidnnte da Aprosoja RS, Ireneu Orth, explicou parte das propostas que já enviou ao Congresso e que serão, em partes, discutidas na reunião da Frente Parlamentar da Agropecuária nesta terça-feira (7).

“Já encaminhamos ao Senado projetos de lei, um deles pedindo para que em 12 meses sejam isentados de pagamentos os produtores que foram atingidos e neste período, o Congresso Nacional faça uma moratória de até 10 anos de pagamento das dívidas desses agricultores, com três anos de carência, para que justamente possam sair desta deficiência. E a pauta de amanhã da reunião da FPA foi alterada e nós vamos levar as questões do Rio Grande do Sul para que a FPA já entre com bastante força e podemos alcançar essas questões todas”, afirma.

Outros dois projetos de lei foram encaminhados nesta segunda-feira com o objetivo da viabilizar de forma mais prática a destinação de recursos para o estado, assim como a retirada de recursos de alguns segmentos agora não são prioridades, para atender às necessidades não só dos produtores rurais, mas também de infraestrutura e entidades assistenciais.

Fonte:
 Notícias Agrícolas

Relacionados

Deixe uma resposta

- Publicidade -spot_img

Recentes