21.5 C
Brasília
21.5 C
Brasília
domingo, julho 14, 2024
spot_img

Projeto de primeira usina de etanol de milho em TO começa a sair do papel

Projeto, com investimento inicial de R$ 1,1 bilhão, e é a primeira aposta da Czarnikow como sócia de um ativo no país

A primeira usina de etanol de milho do Estado de Tocantins começará a sair do papel. Uma parceria entre a multinacional Czarnikow, a Agrojem e a ACP dará origem à Tocantins Bioenergia, um negócio com investimento inicial estimado em R$ 1,1 bilhão. O começo das obras está previsto para o segundo semestre de 2024, para que a usina inicie as operações na segunda metade de 2026.

Essa é a primeira aposta da Czarnikow como sócia de um ativo no Brasil — até então, a britânica só atuava como comercializadora. A empresa deve ter uma participação minoritária, de até 15%. A Agrojem deve encabeçar o projeto, com participação de 50%, e a ACP deve ter a fatia restante.

Em entrevista à reportagem, José Eduardo Motta, fundador e CEO da Agrojem, disse que a ideia de investir em etanol de milho em Tocantins veio de uma combinação de fatores, dentre eles sua experiência de 25 anos de empreendedorismo no Estado, quando atuava na indústria de fertilizantes.

“Em 2020, quando vendi as operações de fertilizantes para a EuroChem, comecei a trabalhar neste novo projeto”, lembrou o executivo. “Você já tem um desenvolvimento da indústria de etanol de milho no Centro-Oeste, principalmente em Mato Grosso, e vimos que o Tocantins já estava desenvolvido para isso, mas todo o milho hoje vai para a exportação”, acrescentou.

Outro fator fundamental para que a usina se tornasse viável, foi a garantia de oferta e demanda. De acordo com as projeções dos sócios, a Tocantins Bioenergia vai demandar cerca de 500 mil toneladas de milho por ano e, com isso, poderá produzir 220 milhões de litros de etanol e 152 mil toneladas de DDG (subproduto do processamento do milho) anuais.

Também haverá, por ano, a produção de 10 mil toneladas de óleo vegetal, geração de energia de 74 GWh e emissão de créditos de descarbonização, os Cbios.

“Na Agrojem, temos 120 mil cabeças de gado na operação de confinamento, toda em Tocantins. Plantamos 38 mil hectares de grãos, sendo 10 mil de milho. Na maturidade do projeto da usina, cerca de 70% do milho serão fornecidos por nós e 30% serão comprados de produtores da região”, afirmou.

Segundo ele, se houver necessidade, a usina poderá adquirir milho de Mato Grosso, Pará ou Bahia para complementar a demanda para processamento.

No caso do DDG, a previsão é que 50% da produção proveniente da Tocantins Bioenergia seja destinada para a ração do gado da Agrojem, e os 50% restantes vendidos a pecuaristas locais.

“Um ponto importante dessa indústria é ter o etanol mais barato daquela região, ter o DDG mais barato da região para ser competitivo e substituir o etanol e DDG que vêm de fora do Estado. O excedente a gente pode exportar, seja para fora do Brasil ou para outros Estados”, afirmou.

A segunda fase do negócio prevê que demanda por milho deve dobrar, alcançando 1 milhão de toneladas, que permitiriam a fabricação de 440 milhões de litros do biocombustível. A meta é chegar a esse desempenho até 2035.

Os recursos para a primeira etapa do projeto serão aportados pelas companhias sócias e também haverá captação de dinheiro no mercado, via emissão de dívida. Segundo os sócios, ainda não está definido quanto cada um aplicará no empreendimento. Uma vez que a usina esteja em plena execução, será desenhada a estrutura financeira necessária para dar a largada na segunda etapa do projeto.

Relacionados

Deixe uma resposta

- Publicidade -spot_img

Recentes